Acordo Ortográfico

O Acordo Ortográfico que volta a debate data de 1990 e — pode ler-se — “constitui um passo importante para a defesa da unidade essencial da língua portuguesa e para o seu prestígio internacional”. É a única motivação apresentada para que o acordo tenha sido assinado. Eu não concordo com ela.
É inegável que a língua com mais prestígio do mundo é a inglesa, que não tem qualquer acordo a regê-la. O inglês não precisa de unidade ortográfica para que as suas variantes britânica, americana ou australiana sejam inteligíveis. Mas não vou fugir ao tema: a vivacidade do inglês é muito própria e reside, também, no facto de não haver regras rígidas (para o hífen, por exemplo: “e-mail” já vem grafado sem hífen na edição de 2007 do Shorter Oxford English Dictionary). Além disso, as propriedades intrínsecas do inglês não são justificação para não aceitar o acordo da língua portuguesa. Justificação para não aceitar o acordo é o facto de ele não servir para nada e criar conflito com a tradição ortográfica portuguesa — desnecessariamente.
Ao contrário do que acontecia com a nomenclatura gramatical, que irá ser substituída pela Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário, o acordo ortográfico não tem na sua base uma necessidade urgente devida a desadequação científica. As actuais regras ortográficas, datadas de 1945, continuam a servir todos os utentes da língua portuguesa sem deficiências. Dizer-se que ajuda o ensino não é correcto. Não podemos partir do princípio que os alunos não são capazes de escrever “acção”, apesar de não pronunciarem o “c”. Não se aprende a escrever escrevendo o que se ouve: e isso é assim em português, em francês, em espanhol, em inglês, em grego, e certamente em quase todas as línguas vivas. Não se trata de medo de mudança, muito menos de conservadorismo (aliás, isto não é argumento para se dizer sim) — trata-se, antes de mais, de respeito pela tradição ortográfica, baseada na etimologia, na História da nossa língua. Toda a ortografia é mais etimológica do que fonética, e é o respeito pela etimologia que cria a tradição ortográfica de qualquer destas línguas que referi.Um dos argumentos dos que são a favor do acordo tem que ver com a abertura dos mercados português e africano à indústria livreira brasileira. Ora, isto é uma enorme estupidez. Como toda a gente instruída sabe, o português do Brasil pouco tem de português como nós, portugueses, o usamos. O que ninguém diz é que o português do Brasil não é diferente do português europeu e africano por causa da ortografia — aliás, é das poucas coisas que temos de semelhante. As grandes diferenças registam-se no domínio do vocabulário, da fonética e fonologia, e da sintaxe — o português do Brasil tem construções que em Portugal são agramaticais. Obrigar Portugal e os PALOP a irem atrás de uma língua que já não é a sua está errado, e é desonesto!
Há quem afirme que o acordo privilegia a produção editorial brasileira. Ora, isto só acontece virtualmente, porque os brasileiros vão fazer menos alterações do que nós, e somos nós que nos vamos aproximar da escrita deles. Os PALOP não necessitam que as editoras brasileiras enriqueçam, ou que as portuguesas saiam dos seus territórios. Precisavam, antes de mais, de criar as suas próprias indústrias livreiras, no domínio da literatura e no domínio ensaístico.
Nas cimeiras internacionais, ao contrário do que se diz, vai continuar a haver a necessidade de traduzir os documentos para duas línguas diferentes. As variantes são línguas distintas — e isso vai ter de ser assumido em termos políticos. As alterações que a língua sofreu no Brasil não pode ser travada por decretos: nem se pode obrigar Portugal a adoptar uma ortografia que não se justifica por uma necessidade premente exigida pela evolução fonética. As alterações propostas podem ser simplificadoras, mas não decorrem de necessidades de uso, mas de convenções artificiais — a ortografia é a parte mais artificial de uma língua e, repito, rege-se antes de mais pela etimologia: que é a justificação dada pelo acordo de 1990 para manter algumas grafias, com o “h” inicial, por exemplo.
Não aceito o acordo porque ele não serve para nada (a unificação a que se alude também é ilusória).

Ligações:
Ler o Acordo de 1990.
Em Defesa da Língua Portuguesa.
Petição contra a implementação do acordo ortográfico da língua portuguesa de 1990; Não ao Protocolo Modificativo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.
Reacções: artigo do PÚBLICO.

PS: Claro que todos os blogues e colunistas dos jornais agora falam do Acordo Ortográfico (quer para o defenderem, quer para o reprovarem). Poucos autores terão sequer lido os propósitos e as bases do acordo. É uma atitude natural e será legítima, mas não honesta.

32 comentários Add your own

  • 1. João Albano Nunes Ribeiro  |  Fevereiro 28, 2008 às 11:53 pm

    Efectivamente, nenhum português (excepto algum atrasado mental), devia concordar com o acordo.
    Dizem que a razão de ser também seria por haver não sei quantos milhões de brasileiros. Tudo bem. Que criem sua própria língua.
    Eu perguntaria: Pelo facto de eu ter crescido mais que minha mãe, devo deixar de a respeitar?
    O que querem fazer… mete nojo.
    João Ribeiro

    Responder
    • 2. MARIA LOPES DE ARAUJO  |  Novembro 21, 2010 às 3:59 am

      João Ribeiro,

      No meu entender, você está sendo preconceituoso tanto quanto o Marquês de Pombal, quando chamou nossa língua tupiniquim nos tempos coloniais de “a língua do diabo”.
      Vai à merda, vai cagar, Albano!

      Responder
    • 3. Vítor Fernandes  |  Julho 13, 2013 às 2:42 pm

      Sr. João Albano Nunes Ribeiro não agradeço o epíteto de atrasado mental uma vez que eu uso o atual AO e não há qualquer relatório médico no domínio da psiquiatria que me tenha por menos capaz. Faço-lhe o reparo de que quem escreve segundo as regras gramaticais portuguesas deve utilizar o artigo definido concordante em número e género antecedendo o pronome possessivo, coisa que o senhor não faz em dias vezes nos seu texto. É muito mais fácil criticar os outros do que fazer bem..

      Responder
  • 4. Livro de Estilo  |  Março 7, 2008 às 1:25 am

    […] Acordo Ortográfico […]

    Responder
    • 5. Celio Pessanha  |  Setembro 22, 2009 às 12:01 am

      Concordo que o Acordo Ortográfico não trará nenhum benefício às duas vertentes da língua portuguesa. A fonética sim, se houvesse possibilidade de aproximá-las, avançaríamos muito na compreensão dessas vertentes, confesso que como brasileiro, não entendo às vezes nada do que diz um português e o contrário deve ser verdadeiro.

      Responder
  • 6. Henrique Carlos  |  Abril 6, 2008 às 10:54 am

    Sim ao acordo.
    Porque torna a língua portuguesa mais utilizável no contexto internacional e no contexto nacional.
    A língua portuguesa tem gerado muitas frases, e tem o potencial para gerar ainda mais frases.
    A maioria esmagadora das frases possíveis de construir – com as palavras existentes – são aceitáveis tanto no Brasil como em Portugal.
    As frases só aceitáveis numa das variantes da língua portuguesa são definitivamente em muito menor número.
    Estamos perante uma grande língua, com variação no seu interior: regional, sociolectal, social, etc…

    Responder
  • 7. Acordo Ortográfico « Anti-depressivos  |  Abril 6, 2008 às 4:50 pm

    […] a mim, subscrevo em absoluto: https://livrodeestilo.wordpress.com/acordo-ortografico/ . Aqui neste blog, o leitor não tem que se preocupar. A língua portuguesa, tal como a conhece e […]

    Responder
  • 8. D Pt Mdr  |  Abril 18, 2008 às 10:40 pm

    Ora, a questão é mesmo Política!!!

    Queremos ou não queremos ser a RESERVA ZOOLÓGICA DE BURROS do BRASIL NA EUROPA???

    Ui! Ui! Roque In Rio! Já papou muito burro!

    Responder
    • 9. anonimo  |  Novembro 21, 2010 às 4:56 am

      houve melhor resposta que esta não tem….

      vamos lá é deixar o exceto para eles porque para nós só mesmo excepto e o rock in lisbon

      Responder
  • 10. Julianacdc  |  Abril 27, 2008 às 12:06 am

    Interessante o texto, a maioria dos brasileiros tbm não concorda com essa reforma ridícula. O português e o brasileiro são duas línguas totalmente diferentes e seria interessante contar com o apoio dos portugueses ao movimento pela separação dos idioma do Brasil.

    Eu só não concordo om um ponto: “o português do Brasil não é diferente do português europeu e africano por causa da ortografia” Isso não é verdade, o que acontece é que usamos a gramática “portuguesa” com normas que absolutamente não pertencem a língua do Brasil, regras que não respeitam nossa tradição lingüística que simplesmente reduzem nossas diferenças a erros. O que acontece é que, por causa de alguns idiotas, somos obrigados a estudar em uma gramática “estrangeira”, somos enganados quado dizem se tratar de normas referentes ao idioma brasileiro. Ainda bem que os lingüistas retomaram, com força e militância, o movimento pela independência da língua brasileira, finalmente teremos uma gramática que corresponda ao verdadeiro idioma do Brasil.

    Vejam o que vários dos nossos maiores lingüistas dizem:
    ————
    “A lei da evolução, de Darwin, estabelece que duas populações de uma espécie, se isoladas geograficamente, separam-se em duas espécies. A regra vale para a Lingüística. “Está em gestação uma nova língua: o brasileiro”, afirma Ataliba de Castilho.

    Há quem seja ainda mais assertivo. “Não tenho dúvida de que falamos brasileiro, e não português”, diz Kanavillil Rajagopalan, especialista em Política Lingüística da Unicamp. “Digo mais: as diferenças entre o português e o brasileiro são maiores do que as existentes entre o hindi, um idioma indiano, e o hurdu, falado no Paquistão, duas línguas aceitas como distintas.” Kanavillil nasceu na Índia e domina os dois idiomas.”
    ——————
    “No meu modo de ver as coisas, já é possível considerar o português do Brasil como uma língua românica de status igual ao do francês, do italiano, do espanhol etc.[…] Nenhuma língua, enquanto tiver gente falando ela, pode resistir às mudanças que ocorrem em suas estruturas com o tempo. Assim, passados 500 anos, tanto a língua de cá quanto a língua de lá se modificaram, cada uma delas numa direção, exibindo diferenças nessas mudanças, fazendo opções diferentes, escolhas diferentes. E a tendência, como indica o desenho, é à diferenciação sempre maior com o decorrer do tempo.”
    Marcos Bagno
    ———————
    “O português e o ‘vernáculo'(a língua falada pelos brasileiros) são, é claro, línguas muito parecidas. Mas não são em absoluto idênticas. Ninguém nunca tentou fazer uma avaliação abrangente de suas diferenças; mas eu suspeito que são tão diferentes quanto o português e o espanhol, ou quanto o dinamarquês e o norueguês. Isto é, poderiam ser consideradas línguas distintas, se ambas fossem línguas de civilização e oficialmente reconhecidas.”
    Mário Perini
    ——————-
    “É uma violência inútil ajeitar-se uma idéia a um molde inadequado que a comprime, que a machuca, que a deforma, somente porque esse molde assentava bem a essa idéia há 100 anos passados.É martírio para a mocidade que aprende e humilhação para o mestre inteligente que ensina, esse bilingüismo dentro de um só idioma – essa unidade exterior, de superfície, de duas línguas que se repelem, a língua que falamos e a língua que escrevemos. […]Nós, no Brasil, presos à gramática “portuguesa”, somos vítimas de uma desintegração dolorosa de nós mesmos. […]A língua brasileira, já ninguém discute isso, diverge da portuguesa;” Mário Marroquim
    ——————
    Sabe aquela história de que falamos português? Pois bem, segundo o lingüista Nicolau Leite, professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo aquilo não passa de nhenhenhém. Como nossa língua pode ser portuguesa se ela é formada por 30 000 vocábulos indígenas e mais de 3 000 palavras trazidas pelos escravos africanos do tronco banto? Nicolau Leite acha que nosso idioma é mesmo o brasileiro e que é absurdo tentar unificar as línguas com normatizações. O português, no fundo, foi só a casa de fundação da nossa língua, que recebeu e continua recebendo influências de todos os lados, afirma.
    —————
    “Assim como o Português saiu do Latim, pela corrupção popular desta língua, o Brasileiro esta saindo do Português. O processo formador é o mesmo: corrupção da língua mãe.” Monteiro Lobato

    Um blog interessante:
    http://idiomabrasileiro.blogspot.com

    Responder
  • […] Acordo Ortográfico […]

    Responder
    • 12. Armando Daniel Salrito Garcia  |  Setembro 12, 2011 às 4:55 pm

      Porque será quando se pronunciam sobre a letra H no início de palavras , esta se mantem por razões etimológicas . Provavelmente , saberão o que essa ciência estuda . Consultem o dicionário Etimológico de José Pedro Machado , e verão o
      que é Etimologia .
      Se em Acção – Afecto – Directo – Projecto , etc. , se tira a consoante que está na origem da abertura da sílaba anterior alterando a sua raíz , então porque não o fazem com a letra a H ? . Até as livrarias lhes agradeciam ao tirar o C – H e em alguns casos a letra P ; poupava muita tinta . Em suma , isto é um Acordo Luso Brasileiro , com desculpas mui esfarrapadas. Obrigado pela atenção.

      Responder
  • 13. Rafael  |  Maio 16, 2008 às 6:59 am

    Acho importante este acordo. E penso que os portugueses não gostaram porque se sentem donos da língua. Eu sou brasileiro, falo português assim como meus avós, bisavós, tataravós… e também me sinto dono da língua.

    Acho que os portugueses deviam olhar com mais atenção para o Brasil e perceberem que a variante brasileira é a mais falada e ensinada no mundo.

    Se o português do Brasil passar a ser considerado uma outra língua, quem sairá perdendo é Portugal, pois o português passará a ser uma língua falada por poucos e devido a globalização tenderá ao desaparecimento. Estou escrevendo isso porque já li a respeito.

    Não se esqueçam que a variante brasileira é falada por aproximadamente 190 milhões de brasileiros que vivem dentro e fora do Brasil, sendo de longe a variante do português, mais falada, lida e escrita.

    E que o português europeu é falado por apenas 11 milhões de portugueses – para se ter uma idéia, só a região metropolitana da cidade de São Paulo possui mais de 19 milhões de habitantes.

    Somando os falantes europeus com os africanos temos apenas 50 milhões dos mais de 230 milhões de falantes no mundo.

    A língua portuguesa deve sua importância atual no mundo ao Brasil.

    Responder
    • 14. Armando Daniel Salrito Garcia  |  Setembro 12, 2011 às 5:04 pm

      Resposta ao Sr . Rafael

      Ele poderá dizer aquilo que entender . O que não pode dizer é que fala PORTUGUÊS . Fala a varaiante da língua do Século XVI , adicionada à língua Tupi e alguma influência da língua espanhola que os circundava .
      Eu pergunto se algum poruguês que fala a Língua de Camões saiba o que significa a palavra ZERAR .
      Obrigado pela atenção . Um falante da Língua LUSA que como é lógico só há uma .

      Responder
      • 15. Diana  |  Setembro 20, 2011 às 9:51 pm

        comentário cheio de preconceito! e só mostra a sua ignorância e insignificância… tenho nojo de pessoas como o Sr!

      • 16. MST  |  Março 11, 2013 às 3:30 pm

        Ao português de plantão – e depois não querem que façamos piadas com nossos “hermanos” – deveria ser informado que a língua falada aqui, o português, seria muito mais próximo daquele falado no XVI por portugueses, praticamente a salvo de influências externas (como o português de Portugal sofreu ao longo dos séculos) principalmente por termos sido colônia (e depois sede do Império). Por que será que falamos diferentes de nossos irmãos africanos, por exemplo, colonizados tardiamente?

        P.S.1 O Tupi como língua indígena única é impensável, assim como os dialetos africanos são vários.
        P.S. 2 Sua lógica, sr. Garcia, parece mesmo portuguesa.

  • 17. Humberto  |  Maio 17, 2008 às 3:41 pm

    Interessante os exemplos de “maiores lingüistas” , defensores dum idioma brasileiro, dados pela Srª Dona Julianacdc. Falam muitos deles num tal idioma espanhol. Provavelmente o idioma brasileiro que defendem deve ser como esse tal de espanhol que ninguém fala. Ou nserá o dos brasileiros que dizem “deletar” ou “escanisar”?

    Responder
    • 18. Armando Daniel Salrito Garcia  |  Setembro 12, 2011 às 5:08 pm

      Senhor Humberto

      Não esquecer que não é só o espanhol . Então e o Tupi que foi ” somado ” ao português do Século XVI.
      Obrigado pela atenção . E um Abraço

      Responder
  • 20. PA  |  Maio 19, 2009 às 11:22 am

    Tomei a liberdade de criar um autocolante alusivo ao tema. Usem e abusem!

    Responder
  • 21. anonimo  |  Novembro 21, 2010 às 4:53 am

    NÃO AO ACORDO ORTOGRÁFICO
    EU GOSTO DE ESCREVER CORRECTAMENTE E NÃO INCORRETAMENTE..CADA UM COM A SUA, VEJAM SÓ ISTO ONDE FOI PARAR..
    SÓ PORQUE SÃO MAIS JÁ QUEREM IMPLEMENTAR E MANDAR???
    VEJAM SE OS INGLESES FAZEM O QUE OS OUTROS “AMERICANOS, AUSTRALIANOS, SUL AFRICANOS ETC ETC” ESCREVE.. TODOS OS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA EXCEPTO O BRASIL É QUE ESCREVE A MANEIRA DELE, ENTÃO ELES QUE FIQUEM A MANEIRA DELES E NÓS A NOSSA. PORTUGUÊS & PORTUGAL SEMPRE, NÃO EXISTE PARA MIM ESSA HISTORIA DE PORTUGUÊS DO BRASIL, LÁ SÓ SE FALA BRASILEIRO, PORTUGUÊS SÓ EM PORTUGAL..CAMBADA DE IGNORANTES, ACEITAREM UMA COISA DESTAS, QUEM É QUE INVENTOU ISTO DIGAM SÓ…ISTO TIRA-ME DO SERIO É TOTALMENTE INACEITÁVEL.
    PARA TERMINAR O QUE EU TENHO A DIZER É QUE MESMO ENTRANDO OU NÃO ESSE ACORDO EU NUNCA VOU ESCREVER DO MODO QUE OS OUTROS QUEREM.

    Responder
    • 22. Antonio Alberto Joaquim Alfredo Carvalho Rodrigues de Andrade Fontes  |  Abril 19, 2012 às 10:31 am

      tas todo fodido

      Responder
  • 23. Paulo  |  Dezembro 16, 2010 às 12:28 pm

    Pois é…realmente não é apenas o idioma que continua a manter formas da idade média, as mentalidades também fazem questão de estarem no ritmo da idade das trevas não é pessoal?
    Isso mesmo caros amigos, poderíamos estar empregando toda essa nossa energia em resolver problemas realmente relevantes, mas não…vamos perder tempo aqui golfando caprichos lingüísticos.

    Responder
  • 24. Miguel de Carvalho  |  Julho 12, 2011 às 10:25 am

    isto é uma vergonha!?!estes senhores só querem é fazer mais uns estudozitos e umas projecçõeszitas para ganhar mais uns cobres…
    esses meninos sentadinhos nos gabinetes querem impor as suas visões da lingua e cultura a um mar de gente que não as partilha.Qualquer dia estamos todos a falar crioulo e o portugues passa a fazer parte das linguas mortas…, e não passará de uma bela recordação.Isto vai ser bom é para as editoras e livrarias!

    Responder
  • 25. Diana  |  Setembro 20, 2011 às 9:49 pm

    Querida,

    Sou luso-brasileira e vivo em Portugal há 10 anos… nasci na Cidade Maravilhosa.

    “Como toda a gente instruída sabe, o português do Brasil pouco tem de português como nós, portugueses, o usamos.”

    De onde vc tirou essa conclusão? ou qual ser instruído chegou a essa conclusão?
    Dizer que falamos diferente e construímos frases diferente sim… mas de resto é PORTUGUÊS!

    “As grandes diferenças registam-se no domínio do vocabulário, da fonética e fonologia, e da sintaxe — o português do Brasil tem construções que em Portugal são agramaticais. Obrigar Portugal e os PALOP a irem atrás de uma língua que já não é a sua está errado, e é desonesto!”

    Aqui falaste qq coisa de jeito… sabes que a gramática é diferente… já é qq coisa, poucos sabem disso…
    Agora o acordo não te obriga a utilizar as “regras agramaticais” (de onde tiraste essa palavra? )
    As regras que te refere eh a utilização do pronome antes ou depois do verbo e a unica coisa que o acordo fez foi aceitar as duas formas!…

    Espero ter ajudado a sua reflexão sobre o assunto!

    .

    Responder
  • 26. joão Defreitas  |  Fevereiro 9, 2012 às 1:48 pm

    A decisão sobre o acordo ortográfico brasil/portugal e demais países lusófonos, não é coisa que se deva decidir emocionalmente. Trata-se de uma lingua das mais faladas no mundo , que se quer falada e compreendida em todos os continentes que dela façam usoPertemnce aos falantes presentes e futuros. Para isso, não pode ser fragmentada e deve-se, obviamente, dar atenção à comunidade falante/escrevente e aos filólogos.

    Responder
    • 27. Antonio Alberto Joaquim Alfredo Carvalho Rodrigues de Andrade Fontes  |  Abril 19, 2012 às 10:29 am

      foda-se

      Responder
  • 28. EuGenio Rodrigo  |  Julho 27, 2013 às 2:36 am

    Respeito todos os portugueses, mas não entendo a resistência de vocês. Então que voltemos todos para as origens da língua, pois, a que usamos, tanto cá, quanto lá, não são autênticas. É correto unificar e aproximar os povos, não entendo como os portugueses desejam estar de costas ao Brasil ao invés de nos aproximarmos em razão de nossa grande história comum.

    Responder
  • 29. askpaketim.com  |  Agosto 19, 2013 às 11:40 pm

    This piece of writing is actually a nice one it helps new web people, who are wishing
    in favor of blogging.

    Responder
  • 30. Olavo Rodrigues  |  Junho 16, 2014 às 12:20 am

    Eu devo ser um dos poucos portugueses que concorda com a Nova Reforma Orto-gráfica.
    Quer dizer, parcialmente. Eu li sobre o assunto num livro e concordo com algumas regras, como também estou contra outras.
    Creio que uma ortografia etimológica não é prática e por isso, sou a favor da queda das letras mudas.
    Confesso que não entendi bem as informações do livro sobre esta inovação linguís-tica, devido à minha falta de conhecimento sobre a matéria. E por essa razão, não critico o trabalho dos especialistas, à excepção/exceção de um pormenor.
    Aqui evoco o meu espírito patriota, mas não apelo à xenofobia. Creio que os peri-tos foram injustos para com Portugal quando à cedência. O país lusitano abdicou de 56% da ortografia original, enquanto o Brasil apenas se desfez de 43.
    Acho que como utilizadores do Idioma Português, não devemos pensar como portugueses, brasileiros, ou africanos, mas sim como lusófonos.
    Ambas as versões ortográficas têm razões para achar que são superiores à outra. Na minha opinião pessoal, devíamos esquecer tudo isso, pois estamos apenas a alimentar uma guerra que de saudável não tem nada. Sugiro então que tentemos antes criar uma relação internacional positiva que felizmente partilha esta língua tão rica e bonita.
    Para acabar, gostava também de corrigir o/a autor/a do blogue. Nem todas os idio-mas baseiam a ortografia na etimologia. O castelhano e o alemão, por exemplo, escrevem-se exactamente/exatamente como se falam.
    Um abraço para todos os lusófonos do Mundo!😀

    Responder
  • 31. Cassiano  |  Novembro 30, 2014 às 2:54 am

    Bom, pra início de conversa, gostaria de expressar minha tristeza ao ver que brasileiros e portugueses não perdem tempo em criar ondas de comentários ofensivos uns contra os outros. Isso é tão desnecessário e irracional!
    Gostaria de dizer que como brasileiro tenho orgulho e paixão de falar o português. Essa é sem dúvida uma das mais belas Línguas que existem.
    Em relação ao “acordo” ortográfico, aqui, assim como parece ter sido em Portugal, foi simplesmente imposto à população. Sou contra.
    Acho necessário e fundamental que se busque aproximar os países lusófonos, no que diz respeito ao conhecimento e contribuição para o desenvolvimento do português. Mas temos outros meios para tal, que não algo como esse “acordo”.
    Outra: no Brasil não falamos português errado. Como todos sabem a variante brasileira tem suas especificidades, o que é natural. Não gosto de ver comentários depreciativos de portugueses em relação ao Pt-Br. Outra coisa desnecessária.
    Abraço a todos. Diretamente da Amazônia, estado do Pará, Brasil! Hehe.

    Responder
  • 32. Cristina Duarte  |  Maio 29, 2015 às 8:14 pm

    Acho lamentável a forma como foi tratado um assunto desta natureza! A língua de um país é a alma de um povo! A língua portuguesa é património do povo português, ou seja, dos 10 milhões de portugueses que o compõem e não apenas de uns quantos iluminados que se acham donos e senhores da alma do povo lusitano.
    Esta é uma matéria de extrema importância, e deve ser tratada como tal, de uma forma justa e consensual através de referendo que espelhe a vontade de todos os portugueses.
    -Caros políticos e (des) governantes de Portugal, como se não bastasse governarem-se a vós próprios com o dinheiro dos contribuintes e envergonharem a cara do povo português com os desvios=roubos constantes de dinheiros públicos cavando buracos sem fim à custa de quem trabalha, para enriquecimento próprio e amigos…ainda nos querem roubar a alma?! Por favor! Ganhem vergonha na cara, e em vez de se quererem colar ao prestígio de outros países usando a língua portuguesa, façam alguma coisa pelo pobre Portugal, que se encontra moribundo, graças em grande parte a vocês, classe vergonhosa, mas façam-no por amor à pátria e não por amor ao vosso bolso, pois não foi para isso que o povo vos elegeu!
    Portugal tem capacidade para se fazer notar internacionalmente por mérito próprio, não precisa de se encostar a país nenhum para ganhar prestígio e projecção por intermédio da língua, usando argumentos hipócritas, precisa apenas de alguém com competência, sabedoria e VALORES para, em conjunto com o povo, elevar o nome de Portugal, e levar a língua portuguesa além fronteiras!
    Vão trabalhar que é isso que o país precisa e deixem de roubar, e assim já têm dinheiro para pagar as dívidas do país, não assassinem a língua portuguesa, cambada de incompetentes sem escrúpulos!
    Se não têm competência demitam-se e não afundem mais o país!

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


%d bloggers like this: